De olho na carteirinha

0
183

Foto: Divulgação

Divulgação
Vacinar é fundamental para a saúde das crianças

A campanha nacional de vacinação contra o sarampo e a poliomielite acabou, mas sempre é hora de atualizar as vacinas.

Você é daqueles que só lembra de olhar se as carteirinhas de saúde da família estão em dia quando ouve a propaganda anunciando uma campanha de vacinação? Pois fique esperto: os postos de saúde costumam manter estoques das vacinas e é possível atualizar as doses sempre que necessário e não apenas quando há mutirão. Todas as 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) estão disponibilizadas no SUS, em todas as faixas etárias. Por ano, são cerca de 300 milhões de doses de imunobiológicos distribuídos em todo o país.

Na Capital, a coordenadora do Programa Municipal de Imunizações, Maria Ligia Nerger, explica que, para estar com a carteirinha de vacinação em dia, crianças até seis anos devem tomar ainda as vacinas BCG, DTP (contra tétano, coqueluche e difteria) e contra hepatite B e rotavírus. Já crianças com mais de sete anos e adolescentes entre 10 e 19 anos devem tomar uma dose de reforço das vacinas DTP, DT e dT, se decorridos mais de 10 anos da última dose, além de serem vacinados contra o papilomavirus humano. Para adultos entre 20 e 29 anos recomenda-se duas doses da vacina SCR e o reforço das vacinas DTP, DT e dT, se decorridos mais de 10 anos da última dose.

Maria Ligia alerta que crianças menores de 2 anos não devem tomar simultaneamente as vacinas contra o sarampo e a febre amarela. “É recomendável um intervalo de 30 dias entre as doses, sendo que a dose da campanha deve ser priorizada”, salienta. As vacinas contra o sarampo e a pólio são contraindicadas para pessoas que apresentam imunodeficiência congênita ou adquirida, como portadores de neoplasias malignas, submetidos a transplantes de medula ou outros órgãos, infectados pelo HIV; que estão em tratamento com corticosteroides em dose alta; ou que tenham alergia grave a algum componente da vacina ou dose anterior.

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil tem, até agora, 1.237 casos confirmados de sarampo este ano e sete pessoas morreram devido à doença no País. Em relação à poliomielite, ou paralisia infantil, não há casos registrados no Brasil.

Na última campanha de vacinação contra as duas doenças, as crianças que não tomaram nenhuma dose da vacina contra a polio durante a vida receberam a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). Os menores de cinco anos que já haviam tomado uma ou mais doses receberam a Vacina Oral Poliomielite (VOP), a gotinha. Em relação ao sarampo, as crianças receberam uma dose da vacina tríplice viral, desde que não tenham sido vacinadas nos últimos trinta dias. “Assim, criamos uma imunidade de grupo. Rapidamente teremos a oportunidade de garantir que, mesmo que os vírus da pólio e sarampo entrem no país, não encontrem uma fonte de infecção”, explica a coordenadora. (LO)

Postos de Vacinação:
VILA LEOPOLDINA, UBS Parque da Lapa, R. Bergson, 52, Tel. 3836-8029
LAPA, UBS Vila Anastácio, R. Bartolomeu Paes, 686, Tel. 3836-1146
UBS Vila Ipojuca (Wanda Coelho Moraes), R. Catão, 1.266, Tel. 3676-1394
UBS Vila Romana, R. Vespasiano, 679, Tel. 3672-0911
Vacinarte Clínica de Vacinação, R. Roma, 620, sl. 77-B, Tel.2729-9593

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA