Os anos 1960 tem a Lapa como cenário em livro

0
562

O empresário e escritor Virgilio Pedro Rigonatti tem parte de sua vida pessoal e profissional ligada à Lapa. No romance ‘Cravo Vermelho’, o bairro é o cenário onde a história acontece.

Nascido na Vila Anastácio, Virgilio é o segundo filho de um casal de mineiros que geraram uma prole de oito filhos. Ele conta que “éramos uma família numerosa e tínhamos uma vida comum, com muito trabalho”. Morou em vários endereços na região da Lapa. “na Lapa de Baixo, na Cincinato Pomponet, depois fomos morar alguns anos em Campinas e, quando voltamos, moramos na Lapa de Baixo e no Parque São Domingos, onde construí uma casa”. Hoje, Virgilio mora na Vila Olímpia.

Por pouco o escritor não seguiu a carreira artística com o irmão Virdicélio. “trabalhávamos no escritório do Mário Zan, autor de ‘Pula a Fogueira’ e ‘Chalana’, entre outros sucessos. Por  sugestão do Zan, formamos uma dupla infantil, eu no violão e meu irmão no acordeão. Gravamos algumas músicas e tivemos um relativo sucesso. Mas quando a voz do Virdicélio mudou, a dupla acabou”, conta.

Livro Cravo Vermelho-Virgilio Pedro Rigonatti

Adolescente, trabalhou em diversas empresas. Foi office-boy e vendedor. “Esse período da minha vida se passou na Lapa. Anos depois fundei a Eskala, que se transformou em uma rede de lojas e levei meus irmãos para trabalhar comigo. Com o passar do tempo, decidi me afastar da empresa e montei a Goldgraph, que trabalha com joias.

Virgilio diz que sempre foi um bom contador de histórias e virou o historiador da família. A memória o ajudou a lembrar de fatos antigos que os parentes contavam. Para registrar essa memória da família, ele criou um blog. Ao mesmo tempo, planejava escrever um livro sobre sua mãe. “Ao completar 60 anos resolvi que era a hora de publicar a história da minha mãe, Maria Clara. Peregrinei por várias editoras e nenhuma me respondeu, nem sim, nem não. Quando conheci o escritor Roberto Shinyashiki, dono da Editora Gente, consegui publicar em 2016 ‘Maria Clara, a filha do coronel’. O resultado agradou Virgilio e lhe deu impulso para lançar, em 2017, o romance ‘Cravo Vermelho’, agora pela sua própria editora, a Lereprazer.

Anhanguera-Escola
O Anhanguera que serve de cenário no livro ‘Cravo Vermelho’ (Divulgação)

‘Cravo Vermelho’, segundo o autor, se passa na década de 1960, “uma das décadas mais importantes e a qual vivi intensamente. Muitos acontecimentos importantes que tiveram reflexo no mundo, e também aqui no Brasil, aconteceram naquela década. As revoltas de Paris, a revolução sexual, a pílula anticoncepcional são algumas delas. Considero o ano de 1968 o mais emblemático e, em 2018, estamos completando 50 anos.”

Virgilio, em segundo livro, deu vida aos personagens Pedrina e Valério, e ambientou boa parte do livro no então Instituto Anhanguera (hoje Escola Estadual Anhanguera) e por lugares e ruas da Lapa e região, onde ele estudou e tem boas lembranças. “Era uma escola de referência na região”, lembra. Na hora de escrever o livro, o autor decidiu que a história dos protagonistas também passaria pelo Anhanguera. É por aqui que eles se conhecem, se apaixonam, amadurecem… Ao mesmo tempo que conta a história dos jovens, Virgilio situa a narrativa no Brasil daquela época. Os acontecimentos políticos, a luta entre esquerda e direita, os embates, como o a batalha da Rua Maria Antonia, entre estudantes da USP e do Mackenzie, estão presentes. Virgilio diz que seu livro tem por objetivo “contar aqueles anos para o leitor interessado na histó ria do Brasil, mas também para as gerações que vieram depois e que não viveram esse período.”

Pedrina é quem narra a história e a escolha do nome tem um motivo especial. Ele conta que “Pedrina era o nome que meus pais haviam escolhido para o segundo filho do casal. Mas, ao invés de uma menina, eu cheguei. E para diferenciar do meu pai, também Virgilio, ganhei o nome de Virgilio Pedro. Quando criei o romance, decidi dar o nome de Pedrina à personagem e escrevi o livro no papel da mulher para vivenciar o mundo feminino. Foi um ótimo exercício de criatividade.”

Virgilio pretende lançar, em breve, um livro sobre empreendedorismo. “Vou escrever em parceria com meu filho, que atua na área, e com a minha experiência profissional, tenho o que contar!”

www.lereprazer.com.br — virgilio_p_rigonatt@terra.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA