Desafios coletivos

0
513

Projeto que já se transformou em programa permanente tem como objetivo transformar vilas já formadas, como a Leopoldina, em locais mais amigáveis e sustentáveis com o apoio dos moradores.

Um projeto de nome Ecovilas, que teve início em 2004, tem ganhado forte impulso com ações pontuais em bairros paulistanos como Vilas Mariana, Jataí, Ida e Beatriz, e mais recentemente (há cerca de um ano) também chegou à Vila Leopoldina, onde uma de suas mentoras reside. “Tudo teve início quando eu e Paullo Santos participamos de uma capacitação em ecovilas no município de Picada Café, no Rio Grande do Sul, e percebemos que podíamos levar o conceito e as experiências bem sucedidas de sustentabilidade também para o eixo urbano”, conta a arquiteta Lara Freitas.

Com o objetivo de fazer com que cada cidadão se aproprie dos espaços públicos caóticos e mal geridos pelo poder público de modo pacífico, mas com ações que resgatem o bem-estar á comunidade, o projeto Ecovilas, hoje já se tornou um Programa Permanente do Instituto Roerich da Paz e Cultura do Brasil. “Tudo começa pelo indivíduo. Não adianta mudar nada nos bairros se os moradores não mudam seus hábitos e não enxergam que cada gesto individual impacta o outro e o meio ambiente”, declara Lara.

O Ecovilas atualmente apoia, por exemplo, ações de plantio de mudas e manejo de solo em diferentes locais de São Paulo, entre outros projetos, que buscam mapear nascentes, descobrir a história dos bairros, promover novos olhares sobre o atual e impactante modo de vida moderno, etc. Na Vila Leopoldina especificamente, o programa já promoveu palestras e também feiras de troca no Centro Educacional e Esportivo Edson Arantes do Nascimento, ou Pelezão, para chamar a atenção para uma forma mais sustentável de consumo. “Muitos moradores do bairro e arredores levaram coisas em bom estado que não mais utilizavam e trocaram por objetos que precisavam ou desejavam. As crianças se engajaram prontamente e todos, adultos e crianças, ficaram muito felizes com esse modo de desapegar das coisas.”

A arquiteta, que também faz parte do CADES (Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) da prefeitura regional da Vila Mariana, quer incentivar diferentes ações sustentáveis na Vila Leopoldina e conta com a vontade da comunidade para iniciá-las. “Quando criamos vínculos com nosso bairro, criamos também uma sensação de pertencimento e aprendemos todos nós juntos podemos fazer parte da solução dos problemas”, finaliza. (ND)

Programa Ecobairro
www.ecobairro.org.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA