Homenagem ao coronel Giambartholomei

0
370

Foto: Arquivo de família

Arquivo de família
Coronel (com o cachorro) em reunião familiar

GDLL JAN22

No dia 26 de janeiro, morreu o coronel José Luiz Monteiro Giambartholomei aos 62 anos. Por três anos, comandou o 21º Depósito de Suprimentos do Exército e teve uma forte atuação comunitária com o bairro.

Coronel Giam de 2006 a 2009, esteve à frente do 21º Depósito de Suprimentos do Exército na Vila Anastácio. Quem o conheceu destaca o amor à família, a seus comandados e colegas de farda e o empenho em criar laços com a comunidade da Lapa e região. Na troca de comando do 21º DS, o general Eduardo Wizniewsky, comandante da 2ª Região Militar, ressaltou “a disposição do coronel em estreitar os laços comunitários, abrindo os portões do quartel do Anastácio”.

“Ele foi uma pessoa agregadora e quanto mais ele conhecia as pessoas mais ele trazia para seu meio. Era sua característica”, afirma d. Eloísa Helena, que o conheceu em 1976 e com ele se casou em 1983. O casal teve dois filhos, Daniele e Luiz Felipe.

Nascido no Rio de Janeiro, a carreira militar do coronel teve início em Campinas, aos quinze anos no Colégio Militar e depois a Academia das Agulhas Negras. Formado como oficial de Intendência, serviu em vários postos pelo Brasil; Acre, Rio de Janeiro, Pará, Brasília, Washington (EUA), Santa Catarina e em especial São Paulo, onde por três anos comandou o 21º DS, na Vila Anastácio.

“Ele se referia a Lapa com alegria e aqui fizemos muitos amigos. Quando ele pediu para ir para a reserva, em 2010, escolhemos a zona Oeste para morar”, diz d. Eloisa que lembra que “era um bom leitor e sempre bem informado. Gian era espiritualista e gostava de cozinhar e ‘engordar’ a família, com destaque para o nhoque”, d. Eloisa completa.

Entre os muitos amigos da região, estão Walter Bonelli, Irineu Eguti, coronel/major (???) da PM Luiz Nakaharada, pessoas identificadas com a comunidade da Lapa e região.

O lado agregador do coronel Gian é citado pelo diretor do Colégio Pré-Médico, Gerson Nunes, “o coronel Gian teve uma ligação muito forte com a região e nos reuníamos nas noites de segunda-feira para jogar pôquer no Buteco do Tunico, em Higienópolis”.

O casal estava em férias em Jeriquaquara, litoral cearense, e no dia 26 de janeiro o coronel passou mal e morreu. O corpo foi cremado e enterrado no Cemitério e Crematório da Penitência no Rio de Janeiro, no dia 29. (GA)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA