Diversão e Arte

0
891

 

Associação detém biblioteca e acervo de todos os tipos de arte e recebe exposições diversas, gratuitas e abertas ao público.

Fundada em 1991 pela curadora e diretora geral Solange Farkas, a Associação Cultural Videobrasil reúne um grande acervo de obras e publicações, desde a primeira edição do Festival Videobrasil, em 1983. Por conta do crescimento da Vila Leopoldina e pela falta de um equipamento cultural no bairro, em outubro de 2015 a Associação abriu sua sede na avenida Imperatriz Leopoldina, quase em frente à rua Schilling, com 800 m², e que foi batizada com o nome de Galpão VB.

De fácil acesso e com programações gratuitas e abertas ao público em geral, o VB abriga hoje uma videoteca, com mais de 1.300 itens, e uma sala de leitura, onde estão disponíveis mais de 3.200 títulos de arte para consulta. Além disso, conta ainda com espaço de serviços, café e loja com diferentes itens de arte para venda. A casa ainda disponibiliza programas de filmes, seminários, oficinas, residências artísticas e laboratórios de criação e reflexão, além das exposições.

Até o dia 11 de junho, o público pode conferir a exposição “Agridoce”, do artista sul-africano Haroon Gunn-Salie, centrada na tragédia ambiental ocorrida recentemente no Brasil, em Mariana, Minas Gerais, e que não pode ser esquecida. O projeto foi criado em colaboração com moradores da região, que se recusaram a sair de suas terras e é resultado do 1º Prêmio SP-Arte/Videobrasil, premiação especial do 19º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. A exposição contempla uma instalação em larga escala (que inclui a lama e as paredes de uma casa parcialmente soterrada, um registro em vídeo, uma série de fotos e um filme). O artista coletou e transportou do próprio local todo o material. “Usei essa oportunidade para me envolver em um projeto de arte transformador, na fronteira com a responsabilidade social, que convoca à participação pública”, explicou Gunn-Salie.

As obras de dois outros dois artistas também podem ser conferidas até o dia 11 de junho. Elas fazem parte da exposição Acervo Videobrasil em Contexto #2 e pertencem ao polonês Karol Radziszewski, que expõe fanzines do universo LGBT, e ao brasileiro Vitor Cesar, com seu universo de palavras que formam frases inusitadas, dependendo do modo como são lidas. “Postas lado a lado, essas obras apresentam duas dimensões complementares do gesto de arquivar e colecionar. Seja operando a partir daquilo que é público ou investigando os subterrâneos de certa produção cultural, os artistas iluminam aquilo que permanece em silêncio e, no entanto, é parte cotidiana da nossa experiência no mundo”, finaliza Solange,  diretora geral da Associação Cultural Videobrasil. (ND)

Galpão VB / Associação Cultural Videobrasil

Av. Imperatriz Leopoldina, 1.150, Vila Leopoldina

Telefone 3645 0516

www.videobrasil.org.br

Fotos: Divulgação

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA